Ciência e Saúde

23/Set/2021 14:27h
Nos EUA, homem com doença rara recebe rim transplantado do próprio marido
23/Set/2021 09:01h
Oficinas de teatro e dança com idosos vão virar espetáculos
22/Set/2021 09:00h
Gente do campo: Johanna Döbereiner descobriu que plantas podem gerar seu próprio adubo interagindo ...
21/Set/2021 09:00h
Atendimento deve englobar pacientes com demência e seus cuidadores
19/Set/2021 19:35h
Por que as drogas psicodélicas estão mais perto do mercado convencional
Ver todas

Notícia

  • Pesquisa descobre por que sarampo se espalha tão rapidamente

    O vírus infecta uma proteína da traqueia e é expelido pela tosse, facilitando o contágio

    Pesquisadores da Clinica Mayo, nos Estados unidos, descobriram por que o sarampo, talvez doença viral mais contagiosa do mundo, se espalha tão rapidamente: ele infecta uma proteína presente em células da traqueia, e depois vai para a garganta do hospedeiro. A tosse da vítima despeja milhares de partículas prontas para contaminar outra pessoa. O achado, publicado no periódico científico Nature nesta quarta-feira, 2, também abre caminho para novas terapias contra tumores, usando vírus para combater o câncer.

    "O vírus do sarampo desenvolveu uma estratégia diabólica", explica Roberto Cattaneo, líder do trabalho. "Primeiro ele ataca as células do sistema imunológico que patrulham os pulmões para entrar no hospedeiro. Depois viaja dentro de outras células imunológicas pelo corpo todo. As células infectadas entregam essa carga especificamente a células que expressam a proteína nectin-4, o novo receptor, que estão localizadas na traqueia. Assim, o vírus emerge do hospedeiro exatamente onde o contágio é facilitado."

    Os autores também comemoram outro aspecto da pesquisa: a proteína nectin-4 é um marcador de vários tipos de tumores, como o de ovário, mama e pulmão. Já estão em andamento pesquisas que utilizam o vírus do sarampo para atacar câncer.

    Como o sarampo ativa alvos dessa proteína, uma terapia baseada nesse vírus poderá ser bem sucedida em pacientes com tumores que expressam a proteína nectin-4. Muitos pesquisadores acreditam que vírus modificados podem ser uma alternativa menos tóxica à quimioterapia e radioterapia.

    Apesar do desenvolvimento da vacina, o vírus continua a afetar mais de 10 milhões de crianças a cada ano, matando cerca de 120 mil no mundo inteiro. Nos últimos anos, o contágio tem aumentado nas pessoas não vacinadas, e o sarampo continua sendo um problema de saúde pública nos Estados Unidos.



    Fonte: Estadão