Ciência e Saúde

15/Jun/2021 23:01h
Brasil registra 2.760 mortes por Covid em 24 horas; média móvel de casos é a maior desde 1º de abril...
15/Jun/2021 20:17h
Terceira onda de Covid-19 deve acelerar mortes nas próximas semanas, alertam especialistas
15/Jun/2021 18:15h
EUA registram 600 mil mortes pela Covid-19, aponta universidade
15/Jun/2021 18:02h
'Bagunça' e desperdício: ex-chefe do PNI critica vacina para adolescente antes de adultos em Betim...
15/Jun/2021 17:57h
Brasil vai receber 842,4 mil doses da vacina contra a Covid da Pfizer por meio do consórcio Covax
Ver todas

Notícia

  • O coração da mulher sofre a cada dia Por Dr. Artur Zular

    A doença cardiovascular é a principal causa de morte entre as mulheres. Alguns pensam que é o câncer, mas não é. Desde os anos sessenta, a doença cardiovascular vem diminuindo com as medidas preventivas adotadas, porém, nas mulheres, a incidência de angina, infarto agudo do miocárdio e morte súbita aumentou em 28%. Por que isso?

    Porque a mulher entrou definitivamente no mercado de trabalho e seu nível de stress aumentou incrivelmente. O tabagismo, que antes era característica do sexo masculino, é igualmente disseminado entre as mulheres, e a obesidade, o diabetes e a hipertensão também ficaram mais frequentes.

    As doenças cardíacas matam duas vezes mais mulheres do que a soma de mortes causadas por câncer de mama, útero, ovário e colo de útero.

    Mulheres que fumam 10 cigarros por dia têm 50% de chance a mais de ter um infarto do que as não fumantes. Esse risco duplica se for um maço por dia. A boa notícia é que parar de fumar diminui em 50 a 70% o risco de doença cardíaca nas mulheres.

    Mulheres diabéticas têm o dobro de possibilidade de reinfartar após um primeiro infarto. O colesterol ruim, chamado LDL, aumenta muito com a idade, principalmente após a menopausa. Nessa fase da vida, devido à diminuição do estrógeno ? que é um protetor natural do coração ? há um aumento da incidência de doença coronariana, mas, se for feita a reposição hormonal quando não há contraindicações, pode diminuir de 30 a 50% o risco da doença.

    A mulher brasileira tem um dos maiores níveis de obesidade em comparação com outros países, e este é um fator de risco importante, que deve ser tratado com muita seriedade.

    A boa notícia é que o exercício físico feito adequadamente, além de emagrecer, diminui a incidência de coronariopatia e hipertensão arterial sistêmica nas mulheres, assim como a taxa de mortalidade cardíaca em geral. E não precisa ficar malhando quatro horas por dia na academia. Caminhadas de 30 a 40 minutos, três vezes por semana, já são bastante eficientes. Que tal começar agora? Procure seu cardiologista e faça um check up cardiológico completo. Assim, ele poderá avaliar o estado de seu sistema cardiovascular e prescrever detalhadamente os exercícios com intensidade, duração e frequência mais adequados e individualizados para você.

    Artur Zular é médico especialista em Medicina Psicossomática, Clínica Médica e Cardiologia. Consultor Científico do Instituto Qualidade de Vida. Presidente do Comitê Multidisciplinar de Medicina Psicossomática da Associação Paulista de Medicina.