Ciência e Saúde

15/Jun/2021 23:01h
Brasil registra 2.760 mortes por Covid em 24 horas; média móvel de casos é a maior desde 1º de abril...
15/Jun/2021 20:17h
Terceira onda de Covid-19 deve acelerar mortes nas próximas semanas, alertam especialistas
15/Jun/2021 18:15h
EUA registram 600 mil mortes pela Covid-19, aponta universidade
15/Jun/2021 18:02h
'Bagunça' e desperdício: ex-chefe do PNI critica vacina para adolescente antes de adultos em Betim...
15/Jun/2021 17:57h
Brasil vai receber 842,4 mil doses da vacina contra a Covid da Pfizer por meio do consórcio Covax
Ver todas

Notícia

  • Cientistas indicam alimentos que evitam cálculos renais

    Quem sofre com cálculos renais sabe que não há nada pior do que uma cólica causada por elas, ou mesmo a dor de expeli-las naturalmente. Como o número de pessoas com o problema tem aumentado significativamente, em teoria por causa do avanço do sobrepeso, pesquisadores da Universidade de Harvard, nos Estados Unidos, deram algumas dicas para se livrar do mal.

    Os estudiosos, no entanto, deixaram um alerta àqueles que sofrem com as pedras nos rins: uma vez que teve o problema, há grandes chances de reincidência. Por isso, este é um dos motivos a mais para seguir as dicas dos especialistas.

    Fluidos em ordem: as pedras se formam por causa da concentração de alguns minerais na urina, que se transformam em cristais. Aumentar a ingestão de bebidas - em especial de água - torna a urina mais fluida e reduz a concentração destes minerais.

    Comer mais cálcio: embora o cálcio seja o maior componente da maioria das pedras nos rins, não se deve evitar sua ingestão. Na verdade, muitas pedras são feitas da combinação de cálcio e oxalato, mas se há bastante cálcio na dieta, ele se liga ao oxalato no intestino, impedindo que a substância vá para urina e forme os cálculos. Boas fontes de cálcio são laticínios desnatados, vegetais folhosos verde escuros e peixes como salmão.

    Reconsiderar os suplementos de cálcio: um estudo conduzido pela equipe de enfermaria da universidade descobriu que mulheres na menopausa que tomavam suplementos do mineral tinham 20% mais chances de ter pedras nos rins do que as que não o faziam. Uma das explicações é que o cálcio em pílulas tem um efeito diferente no organismo do que o que vem pela alimentação, já que pela comida, o cálcio chega ao intestino junto do oxalato, interferindo na sua absorção.

    Moderar o consumo de sódio: dietas com pouco sódio diminuem a excreção de cálcio e oxalato.

    Moderar o consumo de proteínas: elas podem aumentar a excreção de oxalato e cálcio, mas dietas altamente proteicas podem reduzir os níveis de substâncias inibidoras de pedras na urina.

    Moderar a ingestão de oxalato: alguns fatores dietéticos podem influenciar diretamente na formação dos cálculos e a alta ingestão de oxalato pode, ocasionalmente, ser um deles. Alimentos ricos na substância são espinafre, chocolate, oleaginosas, beterraba etc.

    - O aumento da ingestão de líquidos - em especial da água - favorece a fluidez da urina, evitando a concentração de minerais que formam cristais.

    - Pouco consumo de sódio reduz a excreção de cálcio e oxalato.

    - Dietas altamente proteícas reduzem os níveis substâncias inidoras de pedras nos rins na urina.

    - Dietas ricas em cálcio evitam que o oxalato vá para a urina, se transformando em pedras. Boas fontes são laticínios desnatados, salmão e verduras verdes escuras.

    - Reduzir o consumo de oxalato também ajuda na prevenção dos cálculos. Ele está no espinafre, chocolate, beterraba, oleaginosas etc.

    - Suplementos de cálcio devem ser reconsiderados porque podem induzir a formação de cálculos, já que não chegam ao intestino junto do oxalato, comprometendo sua absorção.



    Fonte: Terra - Saúde