Ciência e Saúde

15/Jun/2021 23:01h
Brasil registra 2.760 mortes por Covid em 24 horas; média móvel de casos é a maior desde 1º de abril...
15/Jun/2021 20:17h
Terceira onda de Covid-19 deve acelerar mortes nas próximas semanas, alertam especialistas
15/Jun/2021 18:15h
EUA registram 600 mil mortes pela Covid-19, aponta universidade
15/Jun/2021 18:02h
'Bagunça' e desperdício: ex-chefe do PNI critica vacina para adolescente antes de adultos em Betim...
15/Jun/2021 17:57h
Brasil vai receber 842,4 mil doses da vacina contra a Covid da Pfizer por meio do consórcio Covax
Ver todas

Notícia

  • Uma maçã por dia protege o coração

    Ao consumir uma unidade da fruta diariamente, você mantém as artérias livres de danos provocados pelo excesso de LDL, o colesterol ruim

    Apelidada de fruto proibido, ela mostra, em laboratórios mundo afora, que proibido mesmo é deixá-la longe do cardápio. A última prova vem da Universidade de Ohio, nos Estados Unidos, onde se constatou que o consumo de uma unidade diária - sim, apenas uma maçã, nem uma mordida a mais - diminui os níveis de LDL oxidado no sangue. E esse é aquele colesterol ruim pra valer, que todos querem varrer das artérias. "Os compostos fenólicos da fruta parecem eliminar os radicais livres no sangue antes que eles possam chegar ao LDL", explica Robert DiSilvestro, líder da pesquisa.

    Só para esclarecer: quando as tais moléculas de radicais dão esse encontrão no colesterol, a partícula gordurosa se oxida e, nesse estado oxidado, é que passa a formar placas na parede dos vasos. Cada vez maiores, pelo acúmulo de mais e mais colesterol no local, as placas estreitam o caminho para o sangue trafegar - congestionamento que eleva o risco de infarto ou derrame. Nada bom.

    No estudo americano, porém, os 16 participantes que comeram uma maçã todos os dias, durante quatro semanas, ficaram menos sujeitos a esse enrosco. É que eles viram as taxas do temido colesterol oxidado despencar em 40%. Já nos 17 voluntários que ingeriram 194 miligramas de polifenóis em cápsulas, a queda aconteceu, mas não foi tão impressionante.

    "A vantagem da fruta é que, nela, há vários compostos que agem em conjunto, somando ações positivas no organismo", justifica a nutricionista Pamela Cristiani Dias Pereira, mestranda em ciências da saúde pela Pontifícia Universidade Católica do Paraná (PUC-PR). Uma dessas substâncias parceiras na batalha contra o colesterol é a pectina, uma fibra solúvel encontrada em doses generosas na casca do fruto da macieira. É ali, aliás, que boa parte dos seus antioxidantes fica retida - aproximadamente 50% dos compostos fenólicos. "O resultado desse trabalho deve ser reflexo da sinergia das fibras, como a pectina, com os polifenóis da fruta, os compostos fenólicos", arrisca a nutricionista Laryssa Maria Mendes de Geus, professora do Centro de Ensino Superior dos Campos Gerais (Cescage), em Ponta Grossa, no interior do Paraná.

    Olhando de perto, a combinação desses elementos interfere em uma enzima chamada HMGCOA redutase. Não se assuste com o palavrão. O que vale a pena saber é que ela está envolvida na oxidação. "E as substâncias presentes na maçã diminuem sua ação", resume a nutricionista Elaine Rocha de Pádua, da DNA Nutri, na capital paulista. Tem mais: as fibras ainda dificultam a absorção do colesterol pelo intestino.

    Em outra pesquisa da Universidade do Estado da Flórida, nos Estados Unidos, o chega pra lá na gordura inimiga das artérias também ficou bem evidente. É que, das 160 mulheres com idade entre 45 e 65 anos que participaram do teste, aquelas que receberam 75 gramas de maçã desidratada diariamente apresentaram uma queda de 23% nas taxas do LDL passados seis meses - para ter ideia, a fruta in natura pesa em média 120 gramas. De quebra, os níveis do tipo HDL, o aclamado bom colesterol, que conserta os estragos da versão nefasta, subiram 4%.

    "O trabalho foi realizado com um número pequeno de voluntárias, e outros fatores que influenciam na redução de colesterol não foram avaliados", pondera Glaucia Moraes, presidente da Sociedade de Cardiologia do Estado do Rio de Janeiro. "Nesse grupo específico, a maçã surtiu tal efeito. Mas é cedo para extrapolar para o restante da população", completa Maria Lúcia Mendes Bruno, nutricionista do Instituto do Coração, o InCor, em São Paulo. Mas, se a maçã não faz a proeza sozinha, ninguém nega que ajuda.

    Cabe chamar a atenção que a versão desidratada, como o próprio nome indica, perdeu água. "Com isso, concentra não só fibras, o que pode ser positivo, mas também açúcar", lembra a nutricionista Elaine de Pádua. Por isso, apesar de ser uma opção bastante prática, não deve ser a preferida das pessoas com diabete, já que essa turma precisa domar o sobe e desce de glicose na corrente sanguínea.

    Mas, se a sua preocupação é com o peso cravado na balança, uma boa notícia: na investigação da Flórida, embora as maçãs representassem um acréscimo de 240 calorias diárias à dieta das voluntárias, ninguém acumulou quilos extras. Na verdade - olha que maravilha - elas chegaram a emagrecer cerca de 1,5 quilo. "As fibras favorecem a saciedade e retardam o esvaziamento intestinal. Além disso, carregam para fora do organismo parte dos açúcares e triglicerídeos dos alimentos", diz a nutricionista Laryssa Maria.

    A maçã também pode ser uma aliada do coração de quem convive com a doença pulmonar obstrutiva crônica (DPOC), doença que provoca falta de ar, tosse e cansaço. É que as mesmas substâncias inflamatórias que prejudicam os pulmões dessa gente caem no sangue, contribuindo para doenças cardíacas. Cientistas da Faculdade de Medicina da Universidade de Zhejiang, na China, especulam que o consumo da fruta daria um alívio nesses quadros ao combater as moléculas causadoras de inflamações.

    "Tudo leva a crer que os antioxidantes da maçã ajudem", cogita Adalberto Rubin, diretor da Sociedade Brasileira de Pneumologia e Tisiologia (SBPT). "Mas ainda não sabemos de um alimento que comprovadamente abrande os danos da DPOC. Em todo caso, é sempre assim que as descobertas acontecem. Resta torcer para que esses resultados se confirmem em outras pesquisas", diz ele. Não custa seguir o ditado: basta uma maçã por dia para manter... Nem precisa completar, né?

    Com casca e tudo

    Para aproveitar o efeito anticolesterol da maçã, o melhor é consumi-la inteira. Afinal, é na película que reveste a fruta que encontramos a pectina, fibra solúvel que ajuda a reduzir a absorção da substância pelo intestino. "A casca também concentra grande parte dos compostos fenólicos do alimento", reforça a nutricionista Laryssa Maria Mendes de Geus, professora do Cescage, em Ponta Grossa, no interior do Paraná. Só não se esqueça de higienizá-la bem, para reduzir a quantidade de agrotóxicos.

    As variedades mais comuns

    As diferenças entre as maçãs mais presentes nas feiras e supermercados do Brasil

    Fuji: A polpa é aromática, firme e crocante. Uma leve acidez caracteriza seu sabor, resultado de cruzamentos feitos no Japão.

    Verde: É desta cor porque não tem o pigmento antocianina na casca. Apresenta alta acidez e baixo teor de açúcares.

    Gala: A polpa é firme e bem docinha. Trata-se do cultivar considerado mais rico em antioxidantes

    Argentina: O certo, certo seria chamá-la de red. Sua polpa é mais esbranquiçada. Para alguns, menos atraente para o paladar. Isso porque a maturidade não lhe cai bem: dá a impressão que esfarela na boca.

    Coma só uma. Mesmo!

    Sabe aquela história de que tudo em excesso faz mal? Pois é. Até os compostos fenólicos, grandes trunfos da maçã, viram inimigos quando ingeridos de forma desenfreada. Isso porque, daí, em vez de combaterem os radicais livres, eles passam a ter atividade pró-oxidante. O segredo para não deixar seus poderes se esvaírem é se limitar a uma unidade. Se não resistir, a cota máxima pra valer seriam três.



    Fonte: Revista Saúde.