Ciência e Saúde

23/Set/2021 14:27h
Nos EUA, homem com doença rara recebe rim transplantado do próprio marido
23/Set/2021 09:01h
Oficinas de teatro e dança com idosos vão virar espetáculos
22/Set/2021 09:00h
Gente do campo: Johanna Döbereiner descobriu que plantas podem gerar seu próprio adubo interagindo ...
21/Set/2021 09:00h
Atendimento deve englobar pacientes com demência e seus cuidadores
19/Set/2021 19:35h
Por que as drogas psicodélicas estão mais perto do mercado convencional
Ver todas

Notícia

  • Exame de sangue. A análise mais pedida em hospitais e consultórios faz uma varredura completa de várias partes do corpo

    Curiosidades
    - O sangue sai da aorta a 108 km/h, superior à velocidade máxima do metrô de São Paulo, que é 100 km/h.
    - Um adulto de 70 quilos tem cerca de 5 litros de sangue.

    O mergulho no sangue
    Do cérebro ao dedão do pé, o exame do líquido avermelhado é um espelho de nosso estado de saúde. Seus dados, porém, são complementares ao teste clínico, feito pelo médico

    Observações:
    - Um micrômetro (1 µm) é a milésima parte de um milímetro.
    - Leucócitos (linfócitos, neutrófilos, eosinófilos, basófilos e monócitos): integram o sistema de defesa, que enfrenta todo tipo de ameaça.

    1. A coleta
    O indivíduo vai até o laboratório de sua preferência, onde senta numa cadeira e faz movimentos repetidos de abrir e fechar a mão. Isso estimula a circulação e faz as veias do antebraço ficarem saltadas. O enfermeiro amarra uma borracha acima do cotovelo e enfia a agulha no vaso mais saliente.

    2. Robôs no comando
    Os tubinhos são encaminhados para o centro de análise dos laboratórios. Identificados por sistemas de código de barras, entram em máquinas potentes que analisam todos os parâmetros que o médico solicitou na prescrição. O sistema é totalmente automatizado e os dados quantitativos obtidos aqui são bastante confiáveis. Os gráficos e planilhas saem quase que instantaneamente e podem ser avaliados na hora. Uma gota é a quantidade suficiente para realizar a maioria das provas sanguíneas.

    3. Checagem
    Se os resultados fugirem dos parâmetros normais, o ser humano entra em cena: um bioquímico separa as amostras e esquadrinha tudo no microscópio. A ideia é certificar se aquele valor absurdo está mesmo correto. Assim, evitam-se muitos sustos e pedidos de exames extras para comprovação. Esfregaço: para ver no microscópio, o técnico coloca um pingo de sangue na placa e arrasta-o, esparramando as células.

    HemogramaEritrócitos
    Também conhecidos como hemácias ou glóbulos vermelhos, carregam oxigênio para todo o corpo. Valores muito baixos indicam anemia.
    Tamanho: 7 a 8 µm
    Quantidade: 4,5 a 5,5 milhões/mm³

    Plaquetas
    Essas células têm a responsabilidade de estancar sangramentos, coagulando o sangue e formando trombos que fecham o ferimento.
    Tamanho: 2 a 3 µm
    Quantidade: 150 a 400 mil/mm³

    Linfócitos
    São a linha de ataque contra micróbios e tumores, produzindo os anticorpos. Níveis altos sinalizam infecção viral; baixos, imunidade vulnerável.
    Tamanho: 6 a 8 µm
    Quantidade: 1 a 4 mil/mm³

    Neutrófilos
    Especialistas na guerra contra as bactérias, costumam estar aumentados quando algum invasor resolve passear pelo organismo.
    Tamanho: 10 a 12 µm
    Quantidade: 1,8 a 7,7 mil/mm³

    Eosinófilos
    Esses soldados são recrutados em casos de parasitas e vermes que se alojam no intestino. Também dão as caras nas reações alérgicas.
    Tamanho: 10 a 14 µm
    Quantidade: 0 a 450/mm³

    Basófilos
    Mais raros, só são notados quando acontece um processo alérgico ou uma inflamação crônica. Não se sabe muito sobre suas funções.
    Tamanho: 8 a 10 µm
    Quantidade: 0 a 200/mm³

    Monócitos
    Limpam o sangue de bactérias mortas e vírus derrotados. Fora dos vasos, viram macrófagos, que seguram a barra dos primeiros avanços inimigos.
    Tamanho: 12 a 20 µm
    Quantidade: 0 a 800/mm³

    Colesterol
    Avalia o risco de problemas cardiovasculares por meio de suas frações: HDL, LDL e VLDL. Outros números checados são o colesterol total e os triglicérides.

    Ureia e creatina
    Quando essas duas substâncias estão em excesso na corrente sanguínea, é sinal de que os rins não trabalham como deveriam e sofrem com alguma doença.

    Glicose
    Muito açúcar nos vasos é indício de diabete, enfermidade em que as células secretoras de insulina, no pâncreas, responsáveis por tirar a glicose da circulação, estão danificadas.

    TSH e T4
    Checa a quantas anda a tireoide, órgão que regula o metabolismo. O TSH é produzido na hipófise e desencadeia a produção do T4, que coordena as reservas de energia.

    TGO e TGP
    Designam enzimas comuns nas células do fígado. Em grande número, essas estruturas, também conhecidas como transaminases, indicam perrengues hepáticos.

    Ácido úrico
    Produto da degradação das moléculas de DNA, vai às alturas quando a pessoa sofre com problemas renais, hipertensão e gota, um chabu reumatológico.

    Eletrólitos
    Confere se há desperdício ou escassez de sódio, potássio, cálcio e fósforo, ingredientes essenciais para diversas funções do organismo, como o trabalho muscular.




    Fonte: Revista Saúde.