Ciência e Saúde

23/Set/2021 14:27h
Nos EUA, homem com doença rara recebe rim transplantado do próprio marido
23/Set/2021 09:01h
Oficinas de teatro e dança com idosos vão virar espetáculos
22/Set/2021 09:00h
Gente do campo: Johanna Döbereiner descobriu que plantas podem gerar seu próprio adubo interagindo ...
21/Set/2021 09:00h
Atendimento deve englobar pacientes com demência e seus cuidadores
19/Set/2021 19:35h
Por que as drogas psicodélicas estão mais perto do mercado convencional
Ver todas

Notícia

  • Hemoglobina glicada é o exame que também flagra o diabete

    Um novo jeito de diagnosticar o diabete

    Médicos americanos propõem que o exame mais indicado para controlar a doença passe a ser também uma ferramenta para detectar o mal

    Guarde o nome deste teste: hemoglobina glicada. Para os portadores de diabete, ele é velho conhecido, pois aponta se o controle glicêmico foi ou não eficaz num período anterior de 90 dias. Assim como acontece com todas as outras células do corpo, os glóbulos vermelhos do sangue, durante seus três meses de vida, usam a glicose para obter energia. Só que eles se tornam irremediavelmente marcados, ligados a partículas do açúcar pela hemoglobina, a proteína que transporta o oxigênio. Quanto maior a concentração de glicose no sangue, maior a taxa de hemoglobina marcada ou glicada, explica Freddy Goldberg Eliaschewitz, chefe do Departamento de Endocrinologia do Hospital Heliópolis, em São Paulo.

    Agora, especialistas dos Estados Unidos estão propondo que o mesmo exame seja usado também para diagnosticar a doença. Cerca de 30% dos americanos não sabem que são diabéticos, e muitos deles, quando ficam sabendo, já desenvolveram alguma complicação, justifica Christopher Saudek, endocrinologista da Universidade Johns Hopkins, em Baltimore, e autor do estudo que será publicado na edição deste mês de julho da revista médica Journal of Clinical Endocrinology & Metabolism. De acordo com a investigação, muitos pacientes submetidos ao famoso teste da glicemia de jejum só recebem o diagnóstico positivo quando já apresentam um quadro relativamente avançado da doença. Casos que ainda estão muito no início podem passar despercebidos daí a importância de olhar para os três meses pregressos.

    Apesar disso, a glicemia em jejum ainda é, de longe, o exame mais solicitado para rastrear o diabete. Como o próprio nome sugere, ela mede os níveis de açúcar em circulação quando o indivíduo passou algumas horas sem comer nada. Há outro teste sangüíneo, o de tolerância à glicose, que acusa de que forma o corpo responde ao consumo de uma beberagem com 75 gramas de açúcar. Duas horas mais tarde, quem não apresenta a doença atinge um pico máximo de glicemia entre 140 mg/dl e 199 mg/dl. Já os diabéticos, que não conseguem fazer com que a glicose obtida pela digestão desse líquido penetre a contento nas células, concentram mais açúcar no sangue e aí os valores ultrapassam 200 mg/dl. É um exame mais preciso, só que o paciente, após ingerir água com açúcar, é obrigado a ficar algumas horas no laboratório, enquanto o da hemoglobina glicada não tem esse inconveniente, compara Fadlo Fraige Filho, professor de endocrinologia na Faculdade de Medicina do ABC, em São Paulo, que concorda: O fato de as taxas de açúcar em jejum flutuarem deixa de fora do diagnóstico muitos dos que que já apresentam o diabete no estágio inicial.

    Apesar de o teste em jejum ter suas falhas em apontar casos de pré-diabete reversíveis ou de diabete em estágio bem inicial (quando não dá para reverter a doença, mas sim barrar as complicações), a hemoglobina glicada é uma alternativa controversa. Por dois motivos. Um deles se refere ao custo. Enquanto uma glicemia de jejum sai em torno de 2 reais, o segundo exame fica entre 12 e 25 reais. Em um país como o Brasil, a diferença praticamente inviabiliza o rastreamento na população, afirma Walter Minucucci, professor de endocrinologia da Universidade Estadual de Campinas, a Unicamp. Outro obstáculo é a falta de padronização do exame da hemoglobina glicada, problema que já foi superado em muitos países, mas não está 100% resolvido aqui no Brasil, diz ainda o médico.

    Freddy Eliaschewitz é outro que não vê a nova proposta com muito entusiasmo: Em alguns pacientes, a hemoglobina se liga com maior facilidade ao açúcar do que em outros. Para a gente ter certeza do diagnóstico, precisaria pedir outros exames (confira a comparação dos exames). Há um ponto, porém, para o qual os especialistas convergem: diagnosticar o paciente é importantíssimo. Não dá para fechar os olhos para o fato de que, sim, muita gente sai sossegada do check-up sem saber que está à beira de se tornar diabético ou que acabou de entrar para esse time.




    Fonte: Revista Saúde.