Ciência e Saúde

03/Jul/2022 10:00h
Por que somos mais sujeitos a tonturas ao envelhecer
30/Jun/2022 09:01h
Por que a desigualdade é um fator de risco para o Alzheimer
28/Jun/2022 09:00h
A vida depois de uma doença grave
26/Jun/2022 09:01h
O mito do abismo entre as gerações
24/Jun/2022 04:00h
Harvard responderá processo sobre fotos de escravos feitas para pesquisa racista em 1850
Ver todas

Exames

  • GONADOTROFINA CORIÔNICA-FRAÇÃO BETA

    Descrição:
    Sinonímia: BHCG.

    Material: Soro. Volume mínimo: 0,5 mL.

    Colheita, conservação: Se o exame não for realizado no mesmo dia, congelar a amostra.

    Preparo do paciente: Jejum de 4 horas. Indicar atraso menstrual.

    Método: Radioimunoensaio que emprega anticorpo específico contra a sub-unidade beta do HCG.

    Interferentes: Uso de gonadotrofina coriônica injetável (Pregnyl) pode ocasionar resultados falso-positivos.

    Valores normais: Homens e mulheres não grávidas: indetectável. Mulheres grávidas:
    1º trimestre: até 150000 mUI/mL (UI/L)
    2º trimestre: 3500 a 20000 mUI/mL (UI/L)
    3º trimestre: 5000 a 50000 mUI/mL (UI/L)

    Puerpério: indetectável a partir do 1 º. mês.

    Interpretação: A gonadotrofina coriônica é um hormônio glicoproteico produzido pelas células do sincicio-trofoblasto da placenta. Sua determinação é indicada no diagnóstico precoce da gravidez (desde 1 a 2 dias de atraso menstrual). O teste é positivo em praticamente 100% dos casos de prenhez ectópica. Queda abrupta no seu nível pode indicar má evolução da gestação. É, também, um marcador de tumores trofoblásticos, testiculares e outros produtores de gonadotrofina coriônica.

    Exames relacionados: Gonadotrofina coriônica urinária, alfa fetoproteina, antígeno carcinoembriônico.